VIVEIRO DE PRODUÇÃO DE MUDAS NATIVAS
separador.png

   Hoje nos encontramos diante de um quadro mundial de grandes preocupações com a ocorrência das Mudanças Climáticas Globais decorrentes do modelo de desenvolvimento econômico com base na queima de combustíveis fósseis.

 

   No Brasil, alterações significativas no ciclo das águas já são percebidas, causando secas e aumento de temperaturas. É o que acontece na região sudeste, onde se concentra a maior parte da nossa população e da produção industrial do país. Os impactos ambientais causados pela destruição da vegetação, aliado a um quadro de desperdício de água, no consumo urbano e na agricultura, têm agravado ainda mais a situação.

 

   A mobilização da população através de programas de educação e conscientização ambiental tem sido realizada com eficiência através de ONGs que desenvolvem programas de recomposição de matas nativas. Essas ações têm a intenção de estimular a iniciativa privada a participar efetivamente de programas de recuperação ambiental e proteção dos mananciais hídricos, os quais são estratégicos para formação de corredores biológicos e para o seqüestro de carbono atmosférico.

NOSSO DIFERENCIAL
separador.png

   Vendemos embalagens com mix de 30 espécies diferentes previamente selecionadas, podendo ser apenas PIONEIRAS ou SECUNDÁRIAS E CLÍMAX ou PACOTE COMPLETO (PIONEIRAS, SECUNDÁRIAS E CLÍMAX), facilitando na distribuição das mudas na hora do plantio. Além disso, estão acondicionadas em tubetão o que propicia bom enraizamento com diminuição de enovelamento, aumentando a taxa de sobrevivência no ato do plantio se comparado com mudas em saquinhos, conferindo qualidade no plantio e resultados com menor prazo.  

FAÇA SEU ORÇAMENTO
separador.png
ESPÉCIES ARBÓREAS PRODUZIDAS NO VIVEIRO
separador.png
Aroeira - Árvore da Pimenta Rosa Schinus Sementes Para Mudas 3.jpg

PIONEIRAS

 

   Espécies cujas sementes só germinam em clareiras, em dossel completamente aberto, recebendo radiação direta em pelo menos parte do dia. Crescem muito rápido. Entre as espécies deste grupo encontram-se: aroeira, mutambo, embaúba, capixingui e sangra d’água.

Ipê-roxo.jpg

SECUNDÁRIAS

 

   Podem ser Iniciais ou Tardias, colonizam áreas antropizadas ou oportunistas de clareiras pequenas, crescem rápido, são mais longevas que as pioneiras, as sementes germinam em clareiras e com bom crescimento à luz. Algumas espécies são: ipês, jerivá, araçá.

jequitiba.jpg

CLÍMAX

 

  Germinam, crescem e se reproduzem à sombra. São espécies de dossel da floresta, muito altas, de crescimento lento. Fazem parte deste grupo o jatobá, a peroba rosa e a cabreúva.

O PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES FLORESTAS DO FUTURO

 

   Sob a denominação de programa FLORESTAS DO FUTURO, a Fundação SOS Mata Atlântica e sua parceira para a bacia do PCJ, a JAGUATIBAIA - Associação de Proteção Ambiental trabalham para viabilizar a restauração das matas protetoras das nascentes, córregos e rios. A proposta visa atrair a participação da iniciativa privada, estimulando a noção de responsabilidade social empresarial, a quantificação e o desenvolvimento de mecanismos de redução da emissão de CO2, e, através de base técnica consolidada, busca acelerar os trabalhos de reflorestamento com espécies nativas de bacias hidrográficas degradadas.

 

   Na bacia do rio Atibaia, onde a cidade de Campinas está inserida, a necessidade de recomposição de matas ciliares para a proteção dos mananciais é da ordem de milhares de hectares (ha). Os plantios serão iniciados na região da Área de Proteção Ambiental (APA) de Campinas, onde a Jaguatibaia já possui um “Banco de Áreas”, ou seja, uma relação de propriedades rurais que vem sendo construída a mais de três anos, já com a anuência de proprietários para a realização dos trabalhos de restauração.

 

   Em junho de 2008, com o patrocínio da Química Amparo, detentora da marca YPÊ, foi inaugurado o Viveiro Comunitário SOS Mata Atlântica Campinas / Centro Jaguatibaia de Educação Ambiental e Restauração Florestal, situado na Fazenda das Cabras, distrito de Joaquim Egídio, Campinas-SP, com capacidade para a produção de 200.000 mudas de espécies nativa/ano. O Viveiro já se encontra em plena produção, e os trabalhos de restauração das nascentes e demais áreas de preservação permanente já estão em andamento.

 

   O viveiro possui uma infra-estrutura adequada para o desenvolvimento de atividades de educação ambiental e desde a sua inauguração já recebe a visita de alunos de escolas públicas e privadas, funcionários de empresas e grupos de visitantes que são recebidos por monitores treinados para apresentarem todas as fases do ciclo produtivo das mudas nativas, compreenderem a relação entre a cobertura vegetal, a biodiversidade e os mananciais hídricos, de forma simples, direta e participativa.

 

01.jpg

 

PROTEÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

Além de ajudar na preservação da Biodiversidade, as Matas Ciliares são essenciais para a manutenção da qualidade e quantidade das águas, na medida em que controlam a erosão e o assoreamento dos rios e córregos. Essa vegetação amortece também o impacto dos resíduos de produtos químicos, como fertilizantes e agrotóxicos formado uma barreira natural protetora. Além disso, são corredores biológicos naturais, fornecem abrigo, alimento e proteção para a fauna e flora locais.  Muitas regiões de Mata Atlântica já  se encontram em condições bastante degradadas e o reflorestamento é uma das questões prioritárias para a garantia de nossas fontes d’água.

 

MANUTENÇÃO DA BIODOVERSIDADE

   A Mata Atlântica é um dos biomas de maior biodiversidade do mundo e, ao mesmo tempo, um dos mais ameaçados de extinção, restando apenas 7% de sua cobertura original.   Os plantios de mudas nativas serão realizados prioritariamente em Áreas de Preservação Permanente (APP). 

 

SEQUESTRO DE CARBONO

   A maior parte de nossas atividades diárias acarreta, direta ou indiretamente a emissão de gás carbônico (CO2) na atmosfera, contribuindo para o aquecimento global.  As árvores, no seu processo de fotossíntese atuam de modo contrário, seqüestrando CO2 da atmosfera, devolvendo o O2 (oxigênio) e estocando o carbono em seus troncos, ramos e folhas.  Reflorestando, estaremos proporcionando a oportunidade de reverter este quadro, compensando as missões de CO2 por meio do plantio de árvores.